Queda de cabelo? Saiba como tratar

Você sabia que é normal perder alguns fios diariamente? Em média, uma pessoa perde cerca de 100 fios todos os dias. Isso acontece porque a queda de cabelo faz parte do ciclo de vida dos fios: ele nasce, cresce e eventualmente, morre. 

O nosso cabelo exerce um papel fundamental na aparência, tanto masculina, quanto feminina, e quando acontece a queda de cabelo de forma acentuada, criando falhas no couro cabelo, é preciso estar atento aos sinais de possíveis doenças.

No post de hoje, falar um pouco sobre as principais patologias que causam a perda dos fios e mostrar o tratamento ideal em cada caso. Boa leitura!

Doenças que podem provocar queda de cabelo

Alopecia Androgenética

Mais conhecida como calvície, essa condição é basicamente formada pela queda de cabelo geneticamente determinada. 

Ou seja, é herdada entre membros da mesma família, mas apesar de ser um problema hereditário, não significa necessariamente que a calvície se manifestará.

Essa doença doença é relativamente comum, podendo acometer tanto homens, quanto mulheres. 

Geralmente, a perda dos fios começa durante a adolescência, quando o estímulo hormonal aparece e faz com que, no surgimento de novos fios, eles venham progressivamente mais finos.

Comumente, a calvície só começa a ficar aparente por volta dos 30 a 50 anos de idade.

O tratamento para a doença consiste no uso de estimuladores do crescimento dos fios, como o minoxidil e também em bloqueadores hormonais via oral.

O objetivo desse método é estacionar o processo de queda e recuperar parte da perda. 

É importante lembrar que cada caso é único, portanto, qualquer forma de tratamento deve ser avaliada e executada apenas pelo dermatologista.

Alopecia Areata

A alopecia areata é uma doença inflamatória, não contagiosa e que causa a queda de cabelo e pelos. 

Frequentemente, essa condição causa a queda resultando em falhas circulares sem cabelo. A extensão das falhas pode variar, em alguns casos, poucas regiões são afetadas, já em outros, a perda de fios pode ser maior.

Há casos raros de alopecia areata total, em que os fios começam a cair demasiadamente e o paciente perde todo o cabelo da cabeça. Ainda assim, existe a areata universal, nestes casos, ocorre a perda de todos os pelos do corpo.

Alguns fatores contribuem para o surgimento ou agravamento da doença, como: traumas físicos, emocionais e quadros infecciosos, por exemplo.

Em todos os casos, os fios crescem novamente, isso porque a afecção não destrói os folículos pilosos, apenas os mantêm inativos pela inflamação.

Existem uma série de tratamentos para controlar a doença, reduzir as falhas e evitar o surgimento de novas áreas afetadas.

Normalmente, são usados medicamentos tópicos acompanhados ou não de sensibilizantes. Corticóides injetáveis também podem ser usados em áreas bem delimitadas do couro cabeludo.

A opção de tratamento ideal é realizada pelo dermatologista junto ao paciente.

Dermatite seborreica

A dermatite seborreica é uma doença muito comum e não contagiosa que atinge a região da cabeça. Também chamada de caspa, ela se manifesta como um quadro inflamatório crônico no couro cabeludo.

Essa inflamação pode causar vermelhidão, descamação, coceira e queda excessiva de cabelos.

Não existe um fator desencadeante, porém, pode ter origem genética ou ser decorrente de agentes externos, como: alergias, situações de fadiga ou estresse emocional, baixa temperatura, álcool, medicamentos e excesso de oleosidade ou a presença do fungo Pityrosporum ovale.

A condição pode ser tratada com o uso de xampus que contenham ácido salicílico, alcatrão, selênio, enxofre, zinco e antifúngicos, com o uso de cremes e pomadas, também com antifúngicos e, eventualmente, com corticosteróides, dentre outras ações especificadas pelo dermatologista. 

Psoríase

A psoríase é uma doença crônica que pode atingir o couro cabeludo e ocasionar a queda de cabelo.

Ela é uma condição cíclica, ou seja, apresenta sintomas que desaparecem e reaparecem periodicamente. No couro cabeludo ela se manifesta como áreas vermelhas com escamas esbranquiçadas e espessas que aparecem, principalmente, após o paciente coçar a cabeça.

Para solucionar a queda devido a psoríase, precisa-se tratar a doença dermatologicamente.

Geralmente, o profissional avalia o paciente antes de iniciar o tratamento adequado e verifica fatores como pressão alta, colesterol e a possibilidade da doença acometer outros órgãos.

Quando ela se apresenta apenas como uma doença de pele, é possível tratar as lesões com uso tópico, medicamentos aplicados diretamente na pele ou com luz UV.

O tratamento sistêmico com medicamentos específicos via oral e/ou injetáveis irão depender da extensão da doença, da idade e da condição de saúde do paciente.

Outros fatores de risco para perda dos fios

Existem outros fatores que podem ocasionar a queda de cabelo, entre elas estão a anemia, problemas intestinais, doença renal crônica, sífilis, depressão, micoses, tabagismo, bebidas alcoólicas em grande quantidade e com frequência, entre outros.

A falta de ferro, vitamina D e complexo B, hipervitaminose A, doenças de tireóide, climatério e menopausa, aumento do cortisol pelo estresse também estão associados a perda de cabelo. 

O tratamento correto para a queda de cabelo consiste nas necessidades individuais do paciente. Por isso, procurar um especialista para tratar o couro cabeludo é essencial para garantir bons resultados.

Precisa de ajuda? Conte conosco! A equipe da Scipioni é composta por profissionais qualificados e especializados para realizar procedimentos, diagnósticos, tratamentos e abordagens clínicas de forma humanizada, com foco na segurança, conforto e bem-estar do paciente.

Entre em contato pelo nosso site e agende uma consulta.

Compartilhar Post