Rosácea no outono: tempo frio e seco pode piorar a condição

Junto às estações mais frias do ano, como outono e inverno, muitas pessoas começam a perceber modificações na pele devido às baixas temperaturas. Em alguns casos, a pele fica mais avermelhada, sensível, com sensação de ressecamento, ardência ou queimação e até mesmo uma aspecto parecido com espinhas. 

Estes sinais podem significar uma doença chamada rosácea, mais frequente em pessoas de pele clara, chega a atingir 10% da população.

A condição pode ser responsável por um impacto emocional intenso no indivíduo, causando a diminuição da qualidade de vida de muitos pacientes. Quando suas manifestações são intensas, promove baixa autoestima e mudança da própria imagem. 

Quer entender um pouco mais sobre a rosácea, como ela se manifesta na pele e qual o melhor tratamento para acabar com o incômodo? Então siga a leitura!

O que é rosácea? 

A rosácea é uma doença crônica que atinge a face, principalmente a parte frontal, nariz, bochechas e queixo com evolução em surtos. Sua principal característica é o processo inflamatório e alterações vasculares da pele.

Atinge tanto o sexo feminino quanto o masculino, porém, alguns sintomas são mais comuns entre mulheres. Geralmente, a característica se inicia em torno dos 30 anos de idade, mas pode ocorrer em qualquer idade, até mesmo em crianças.

Existe uma predisposição genética, pois é mais comum em indivíduos com história familiar da doença, além disso, fatores individuais e externos também são responsáveis pelas alterações inflamatórias, imunológicas e dos vasos da pele no local afetado. 

Quais são os tipos, as causas e sintomas? 

Comumente, o principal e primeiro sintoma nos pacientes com rosácea, é a vermelhidão na região central da face, fronte, malar, nariz e queixo que persiste por meses. 

Em alguns casos, pacientes queixam-se da sensação de estar sempre com queimaduras de sol ou com aspecto de ter ingerido bebida alcóolica em função da vermelhidão persistente.

Outros sintomas que podem estar presentes são o flushing (surtos de vermelhidão e calor), ardência ou queimação, mais frequentes em pessoas mais jovens, e também presença de pequenos vasinhos avermelhados chamados teleangiectasias, normalmente vistos em adultos. Quando a rosácea se apresenta desta forma, é chamada de eritemato telangiectásica. 

Lesões como pápulas e pústulas, com aspecto muito parecido com acne, principalmente na região central da face são descritos com frequência por quem sofre com a condição, associados ou não aos sintomas citados acima. Essa manifestação é chamada de rosácea papulopustulosa. 

Homens com mais idade podem apresentar espessamento da pele da região nasal, frontal ou do queixo, com poros bem dilatados e até deformidades na forma desses locais. Quando a doença se apresenta desta forma, é chamada rosácea fimatosa. 

Quando atinge a região ocular ciliar, com vermelhidão, ardência, queimação, coceira, sensibilidade e sequidão ocular e das pálpebras, chama-se rosácea ocular. 

Como prevenir a rosácea? 

A rosácea apresenta piora ou é desencadeada com o que chamamos de “gatilhos”, como: calor ou frio excessivos, vento, bebidas quentes ou alcoólicas, comidas condimentadas, exercício físico, substâncias irritantes aplicadas na pele, alguns medicamentos, menopausa e fatores emocionais. 

A grande maioria dos pacientes com rosácea, até mesmo aqueles com sintomas de acne, apresentam uma deficiência de barreira da pele, com mais perda de água e falta de hidratação. 

Portanto o uso de um sabonete adequado com ph fisiológico e isento de irritantes para higienizar a pele e, hidratantes com função calmante e antiinflamatória, são fundamentais no tratamento da doença e na prevenção dos surtos. 

O uso de filtros solares deve ser diário e rotineiro, já que a maioria dos casos piora com exposição ultravioleta. Porém, até mesmo o filtro solar pode piorar a rosácea, tendo que ser ser escolhido com alguns critérios antes da compra. 

Tratamento através da dermatologia 

O paciente com rosácea não pode usar qualquer cosmético ou maquiagem, pois é frequente os sintomas serem desencadeados pelo uso deste tipo de produtos. O correto é consultar a orientação de um dermatologista antes de comprar qualquer cosmético, incluindo maquiagens. 

Em muitos casos, o uso de medicamentos como antibióticos orais, anti parasitários ou isotretinoína melhoram o aspecto da pele. Mas, lembre-se: é necessária a avaliação de um dermatologista para conduzir o tratamento mais adequado para seu tipo de rosácea.

O controle das manifestações vasculares como a vermelhidão, o flushing e os vasos, pode ser feito com o uso de medicamentos tópicos de ação vasoconstritora temporária, orais como betabloqueadores. Também utiliza-se muito no tratamento a Luz Intensa Pulsada e os Lasers.

Como trata-se de uma doença crônica o tratamento deve ser contínuo e precisa ser alterado conforme os sintomas apresentados no momento. 

Conte com a Scipioni

Se você está sofrendo com problemas na pele, conte conosco! Há mais de 20 anos, disponibilizamos de tratamento em todos os atendimentos e procedimentos com equipamentos modernos.

A equipe da Scipioni é composta por profissionais qualificados e especializados para realizar procedimentos, diagnósticos, tratamentos e abordagens clínicas de forma humanizada, com foco na segurança, conforto e bem-estar do paciente.

Compartilhar Post